Transformação Digital – A caminhar para o Escritório do Futuro

Captura de ecrã 2018-10-11, às 05.42.50
O SEGREDO PARA O SUCESSO DE QUALQUER ORGANIZAÇÃO SÃO AS PESSOAS.
Estamos a viver numa era de transformação digital, de que forma é que encara esta realidade?

A era da transformação digital é a nossa realidade, é algo que já nos é intrínseco, atrevo-me a dizer que a grande maioria já não vive sem tecnologia. Nas últimas décadas a tecnologia teve um efeito completamente disruptivo na vida das pessoas e no funcionamento das organizações.

Esta transformação é como um comboio que já partiu e, as empresas que não o apanharem estão sujeitas a perder competitividade e, em última instância, encerrar mesmo atividade. É uma analogia que espelha bem a realidade com que nos deparamos, atualmente. Tudo, hoje em dia, é digital.

Na minha ótica, existem grandes benefícios a retirar assim como grandes desafios a enfrentar, algo que a Konica Minolta tem em mente.

O ritmo acelerado da digitalização tem trazido alguns desafios para as empresas, qual foi impacto para a Konica Minolta?

A inovação está na génese da Konica Minolta, somos uma empresa japonesa em que a inovação é característica da própria cultura. Se olharmos para a história da empresa existiram vários momentos de mudança, até mesmo de reinvenção. Já fomos uma empresa que vendia máquinas fotográficas, passámos para as impressoras e, atualmente, somos uma empresa de impressão e de soluções de TI. Desde sempre que a Konica Minolta tem vindo a sofrer processos de transformação, uma evolução muito prévia à emergência do termo digitalização ou transformação digital. Sempre tivemos uma visão muito holística do mercado e uma política muito aberta no que diz respeito à gestão da mudança, estamos em constante inovação e investimos muito em investigação e desenvolvimento para estarmos preparados para estes desafios que resultam da nova era digital. Temos, inclusive, business innovation centres a trabalharem, diariamente, em soluções novas inovadoras, procurando sempre estar na vanguarda. Esta transformação digital é mais uma mudança que a Konica Minolta teve que encarar e com a qual continua a lidar, na realidade, esta digitalização permitiu identificar novas oportunidades de negócio, uma vez que os nossos clientes necessitam cada vez mais de apoio neste processo de transformação.

Quais são os fatores que têm contribuído para a evolução que a Konica Minolta tem vindo a sofrer nas últimas décadas?

As pessoas. O segredo para o sucesso de qualquer organização são as pessoas. No nosso caso, este processo tem sido impulsionado pelo investimento em pessoas que têm conhecimento, que têm qualificações e que, acima de tudo, têm vontade de fazer parte da mudança. A nossa estratégia tem assentado na atração e retenção de novo talento, mas também, no cultivo e incentivo do trabalho dos nossos colaboradores. Para nós, é importante ter um leque variado de pessoas a trabalhar connosco, de gerações diferentes, temos colaboradores desde os 18 até aos 60 anos. É relevante que haja uma integração destas gerações, uma fusão de conhecimento e experiências. As gerações mais novas, os nativos digitais, trazem muito a nível das novas tendências e novas metodologias de trabalho, são o sangue novo, como costumo dizer. E, por outro lado, as gerações mais velhas têm muito know-how e experiência de negócio. Todas estas características em conjunto são uma autêntica fórmula para o sucesso, que tem resultado muito bem. Para assegurarmos que os nossos colaboradores têm as ferramentas que necessitam e que existe esta sinergia entre todos, temos um programa de “mentoring” para todo o talento novo que se junta à organização assim como formações contínuas para todos os colaboradores sobre novas ferramentas, novos processos e novas metodologias. Olho para as nossas pessoas como uma planta que precisa de ser cultivada para poder crescer e, por isso, temos uma grande preocupação em incentivar os nossos colaboradores. O nosso negócio tem uma vertente altamente tecnológica, mas nada disto seria possível se não tivéssemos as pessoas certas.

Que novas oportunidades de negócio surgiram deste processo de transformação digital?

A nossa atividade principal traduz-se em transformar os negócios dos clientes e, a realidade é que com esta digitalização os locais de trabalho estão a mudar, os colaboradores estão mais exigentes, querem soluções que lhes permitam ser mais produtivos e eficientes, e é aí que entra a Konica Minolta. Estamos a caminhar para o escritório do futuro, locais de trabalho em que os colaboradores não têm que perder tempo com tarefas desnecessárias, processos que até agora eram manuais agora são automáticos e integrados com a tecnologia com a qual lidamos diariamente. Posso dar o meu próprio exemplo, antes o meu processo de aprovação de despesas era manual e, hoje, posso fazer tudo através de uma aplicação mobile. Além de todas as pressões internas das organizações, a transformação digital levantou grandes desafios no âmbito da segurança. Existe informação dispersa dentro das organizações, uma grande falta de estruturação dos dados, e com a nova legislação do RGDP, as empresas têm que proteger os seus documentos. Há uma necessidade crescente de otimizar os processos dos locais de trabalho e a Konica Minolta tem várias soluções na área de impressão, gestão documental e infraestruturas que auxiliam neste processo. Temos, neste momento, várias soluções a serem desenvolvidas e testadas nos nossos business centres, incluindo uma rececionista virtual e uma ferramenta inteligente de marcação de salas de reunião, tudo com o propósito de otimizar os locais de trabalho, visando dar resposta às necessidades levantadas por este processo de transformação digital. A nossa missão é sermos o fornecedor do escritório do futuro.

A NOSSA MISSÃO É SER O FORNECEDOR DO ESCRITÓRIO DO FUTURO
Acredita que, eventualmente, a Konica Minolta irá deixar a impressão?

Considerando a evolução a que tenho assistido, acredito que estamos, cada vez mais, a caminhar para uma integração da impressão com as soluções de TI e para uma utilização diferente dos serviços de impressão por parte dos clientes do que propriamente o abandono da impressão.

Posto isto, não diria que iremos abandonar a impressão, contudo, estamos atentos. Somos especialistas no conjunto de serviços que estão associados à impressão, e temos, diariamente, imensas solicitações de clientes nesse sentido, e o objetivo é continuar nesse rumo.

Quais são os planos para o futuro da Konica Minolta?

Estamos num setor altamente competitivo que está em constante evolução. Diria que o nosso foco é a experiência dos nossos clientes e que a visão para o futuro passa por uma oferta integrada que satisfaça todas as necessidades dos mesmos.

O nosso disclaimer é “giving shape to ideas” e a ideia é mesmo essa, o futuro é continuar a dar forma à ideia dos nossos clientes, estar sempre na vanguarda no que toca à inovação, para podermos entregar sempre o maior valor possível ao cliente.

banners_fotos_redondas_publireportagens-37

VASCO FALCÃO | CEO, KONICA MINOLTA PORTUGAL & ESPANHA

banners_fotos_redondas_publireportagens-37

VASCO FALCÃO | CEO, KONICA MINOLTA PORTUGAL & ESPANHA

CEO da Konica Minolta Portugal & Espanha, licenciou-se em Gestão pela Universidade Internacional. A sua vasta experiência, com mais de 14 anos, tem incidido sob as áreas das Tecnologias de Informação e da Gestão Financeira. Iniciou a sua carreira na Portugal Telecom tendo, também, desempenhado funções na Deloitte, durante um período de 5 anos. Vasco junta-se à Konica Minolta em 2003 como Diretor Financeiro e de Tecnologia, função que desempenhou até 2008, ano em que assume a direção-geral da Konica Minolta Portugal. De 2013 a 2015 amplia as suas responsabilidades e passa a dirigir o Marketing do Cluster Sul (Espanha, França, Itália e Portugal) e a liderar a transformação dos processos de negócio neste grupo de países, assumindo a direção-geral da Konica Minolta Espanha no ano de 2017. Os últimos anos pautaram-se por diversas experiências académicas, a nível global, incluindo um MBA em Gestão e Administração pela AESE/IESE Business School University of Navarra, com exposição internacional na Ross Business School na Universidade de Michigan e no Indian Institute of Management (IIMA) em Ahmedabad.